o cão constante

Posts Tagged ‘crianca

Sem título número três

with one comment

De qualquer forma, nunca poderia regressar ao meu estádio anterior. Após o que fizera com estas mesmas mãos que em idade traquina o barro da terra acre entre os seus dedos trespassou, de qualquer forma, nunca poderia. Pudera eu reiniciar-me e encontrar-me naquele pequeno quintal que aos meus mirrados olhos era tão enorme quanto um castelo de cavaleiros pernetas com triciclos amarrados às árvores. Pelo menos o meu, quando não em uso, encontrava-se bem preso por uma fina guita à roseira do meu avô, nesse mesmo quintal enorme, lá, na sombra da videira que cobria parte do quintalejo, eu e o meu avô cujas faces desbotaram irremediavelmente da minha memória centrifugadora, ele amassava o barro no qual eu afundava os meus dedos e as minhas mãos e os meus braços e o meu peito e os meus sonhos estavam todos contidos naquele instante eterno quando com toda a fúria pueril apertava o barro de punhos bem cerrados na esperança que os cavaleiros e os piratas e os pirilampos e o vasco granja com os seus bizarros desenhos animados moldassem o barro com as suas formas através do elo condutor entre a mente e a matéria que eram os meus tortos dedos que sorriam enquanto o meu avô que tinha os olhos castanhos cor do céu fazia girar e girar e girar a mesa do barro e da imaginação que nos fazia percorrer mundos e aventuras sem número e sem regras. Nada. Não tenho lembrança de nada da minha infância. Os meus fazeres e não fazeres teriam sido outros, como um melhor homem possivelmente, se em mim ainda vivesse um pouco dessa criança. Convencimento tenho que ela se aviva de mim. E eu dela.

Written by Luís Miguel Martins

Sexta-feira, 22 Outubro, 2010 at 02:42

A doçura dos pequenos

leave a comment »

Parece que agora também querem roubar a doçura aos pequenos. Como se os preparassem assim para a amargura que os aguarda na idade em que as suas testas se irão encrespar. Que modo pungente de aniquilar a candura que neles vive, torná-los apáticos e resignados logo ali no recreio, no jardim, no pátio da escola onde correm e esbarram contra a dureza estipulada do que lhes é negado. Que infância os espera quando as suas mães, com as suas vozes a fugirem peito dentro e os braços resolutos que não abarcam a pequenez dos filhos, essas mães que não lhes poderão contar estórias das suas infâncias para que os olhos e as bocas que lhes brotaram dos ventres não saibam que antes deles existia um vocábulo a que chamavam alegria e que essa fugaz alegria morava no riso das crianças. A alegria, de acordo com o regedores, fora decretada tristeza, por ora em diante, até cessarem as medidas impostas para controlo resoluto dos cidadãos e das cidadãs propensos a comportamentos subversivos e contra-estadistas. E assim se impôs também a destruição de todo o leite achocolatado ao dispor dos residentes e não residentes, crianças e idosos, mendigos e pobres, vulgos classe média. A restante parafernália inútil da qual a população poderá subtrair alguma forma de lazer será brevemente alvo de indagação governamental, ao que não nos resta pouco mais do que o pão sem manteiga que barramos com as nossas lágrimas e alimentamos os nossos filhos sem boca para comer. Talvez ao menos os pequenos sonhem grandes estórias e se alimentem das palavras das quais já esquecemos a existência e restaurem o júbilo que deixámos extinguir das suas faces, tão inocentes que fomos.

Written by Luís Miguel Martins

Terça-feira, 19 Outubro, 2010 at 02:54